Pode ser do seu interesse

Sem categoria

Grávida Pode Beber Vinho?

Se você pesquisar se grávida pode beber vinho, encontrará uma série de opiniões divididas até mesmo de especialistas sobre o assunto. Algumas pessoas dizem que beber até sete taças de vinho tinto por semana, 1 por dia, não causará nenhum dano ao bebê, já outros opinam que não importa o quanto você beba, terá a chance de causar danos principalmente ao pâncreas da criança que irá nascer.

Pesquisas sérias foram realizadas para analisar se mulher grávida pode beber vinho, e agora você poderá ver os resultados e o que os especialistas falam sobre o assunto.

Beber vinho tinto com moderação durante a gravidez

Em 1981, o The United States Surgeon General – Chefe operacional do Corpo de Comissionados do Serviço de Saúde Pública dos EUA, porta-voz da saúde pública do governo federal do país, anunciou que a síndrome alcoólica fetal – SAF, atualmente muitas vezes referida como transtorno do espectro alcoólico fetal, era um problema causado pelo consumo materno de álcool durante a gravidez e por isso as mulheres deveriam limitar a quantidade que ingerem bebidas alcoólicas durante a gravidez. No entanto, neste anúncio, o cirurgião geral não especificou quanto uma mulher deve limitar seu consumo durante a gravidez.

No ano de 2005, o então general norte-americano Richard H. Carmona anunciou que apenas a abstinência do álcool poderia prevenir a SAF.

Desde esse anúncio, pesquisas sugerem que o consumo moderado de bebidas alcoólicas na gravidez é menos perigoso, mas o consumo excessivo coloca o feto em risco de desenvolver distúrbios de desenvolvimento, dificuldades de aprendizagem e SAF.

Alguns estudos discordam sobre quando é seguro uma mulher beber durante a gravidez, sugerindo que as bebidas alcoólicas aumentam o risco de aborto espontâneo durante o primeiro trimestre, e as crianças terão pesos menores ao nascerem se a mãe beber álcool durante o segundo trimestre.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos afirmam que nenhuma quantidade de álcool durante a gravidez é segura, mas uma em cada 10 mulheres grávidas prestes a terem seus bebês relatam algum consumo dessas bebidas durante a gravidez.

Estudos médicos reais ao longo dos anos, juntamente com evidências autorrelatadas pelas próprias mães, contam uma história mais específica.

Pesquisa científica sobre vinho tinto durante a gravidez

Em geral, por meio de estudos realizados, parece que manter apenas o consumo moderado de vinho durante a gravidez não prejudica o bebê, mas isso pode ter muito a ver com a genética. Até 40.000 bebês todos os anos nascem com desordens do espectro alcoólico fetal nos Estados Unidos, onde foram realizadas essas pesquisas, e é possível que muito mais crianças sofram atrasos no desenvolvimento, nasçam prematuramente, abaixo do peso ou tenham dificuldades menos graves no futuro devido ao consumo materno de bebidas alcoólicas.

Dados anedóticos anteriores ao anúncio do general de cirurgiões em 1981 sugeriam que beber vinho tinto era bom para a circulação do feto. Um estudo publicado recentemente, em 2015, descobriu que algumas parteiras até recomendavam que a mulher grávida pudesse beber um copo de vinho com segurança se tivesse muita vontade, e que o vinho tinto especificamente poderia ser melhor para o bebê, o que geralmente estaria relacionado ao desenvolvimento do cérebro e não à circulação. Estas sugestões podem ocorrer devido aos benefícios do vinho tinto com moderação, assumindo que todos entendam o que a moderação significa tecnicamente.

Um estudo britânico realizado em 2013 parece ser a raiz do debate moderno se a mulher grávida pode beber vinho. O estudo pesquisou 7.000 crianças que haviam atingido 10 anos de idade, uma idade em que a maioria dos problemas de desenvolvimento deveria ter aparecido e sido diagnosticada. No decorrer do estudo, os hábitos de bebida das mães foram registrados em comparação com a capacidade das crianças de 10 anos em manterem o equilíbrio. Embora essa medida seja menos complexa do que medir o QI ou a deformidade física, é uma maneira de determinar como o cérebro de uma criança trabalha em conjunto com o corpo.

As crianças que obtiveram melhores resultados no estudo tiveram mães que se abstiveram inteiramente do álcool durante a gravidez ou beberam muito pouco – talvez uma ou duas doses por semana.

Crianças com melhor equilíbrio tendem a ter mães que bebem moderadamente em comparação com os filhos de mães que não bebem, mas o estudo sugere que talvez a genética ou a renda possam ser fatores que influenciam na saúde da criança. As mulheres que bebiam moderadamente tinham mais de uma enzima hepática específica que pode quebrar o álcool – talvez protegendo seu bebê da transferência placentária de toxinas do vinho tinto ou de outras bebidas – e também tendiam a ter mais educação e ser de classe média.

Já as mulheres que se abstinham do álcool, lutavam com o consumo excessivo ou sofriam alguns episódios de bebedeiras durante a gravidez tinham menor renda e menos instrução. Os níveis de renda e educação para as mães provavelmente influenciaram como e quando as crianças receberam cuidados de saúde.

Ainda assim, a sugestão do estudo de que uma dose de vinho por dia não prejudicaria o desenvolvimento fetal criou um alvoroço entre mães, legisladores e profissionais da área médica.

Bebidas alcoólicas no início da gravidez

De acordo com Howard LeWine, Editor Médico Chefe da Harvard Health Publishing, Universidade de Harvard, Estados Unidos, embora não beber álcool durante a gravidez seja a escolha mais segura, pequenas quantidades de álcool no início da gravidez podem ser menos arriscadas para a saúde da mãe e dos seus bebês do que se acreditava anteriormente.

O consumo mínimo de álcool durante o primeiro trimestre não parece aumentar o risco de complicações da hipertensão, nascimento prematuro ou pouco peso ao nascer. Essas são as conclusões de um estudo publicado anteriormente na revista acadêmica Obstetrics and Gynecology.

O Dr. Fergus McCarthy e seus colegas da Irlanda, Inglaterra, Nova Zelândia e Austrália compararam os resultados de nascimento entre as 5.682 mulheres que estavam grávidas pela primeira vez entre 2004 e 2011. Mais da metade delas relatou beber álcool durante os primeiros três meses de gravidez. 19% relataram beber ocasionalmente, 25% relataram baixo consumo ou entre três a sete doses por semana (uma quantidade definida como uma taça de vinho ou pouco menos de uma garrafa de cerveja). Outros 15% relataram beber mais do que 7 doses por semana.

As taxas de nascimento prematuro, bebês com baixo peso ao nascer, pequenos em relação ao tamanho e pré-eclâmpsia – condição potencialmente fatal em que a mulher grávida desenvolve pressão alta – foram semelhantes em todas as categorias de consumo de álcool.

O perigo potencial da bebida alcoólica durante a gravidez

Nas últimas décadas, foi dito para as mulheres que elas deveriam evitar por completo o consumo de bebidas alcoólicas durante a gravidez. Sociedades médicas respeitadas, como o Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas e o Royal College of Obstetricians and Gynecologistas Women afirmaram que as mulheres não devem ingerir álcool durante a gravidez.

A principal razão é que o uso excessivo dessas bebidas durante a gravidez tem sido associado a uma condição de longo prazo e irreversível conhecida como síndrome alcoólica fetal (SAF).

Bebês com SAF podem nascer prematuros, geralmente com pouco peso e não crescem bem. Alguns têm características faciais como um lábio superior fino e pequenas aberturas oculares, ou o pequeno sulco vertical entre o lábio superior e o nariz pode ser achatado.

Outros sinais físicos que acompanham a síndrome alcoólica fetal incluem uma pequena cabeça, nariz curto e problemas com a maneira como o coração ou as articulações são formadas.

Crianças com SAF são mais lentas para aprender habilidades de linguagem do que as outras. Quando atingem a idade escolar, muitas vezes apresentam dificuldades de aprendizagem, atenção, memória e hiperatividade. É mais provável que elas tenham uma coordenação deficiente e dificuldades na solução de problemas, e algumas têm dificuldade em fazer amigos e se relacionar com outras crianças. Tudo isso pode tornar a escola um lugar realmente difícil.

Apesar deste claro conselho, mais da metade das mulheres bebe um pouco de álcool durante a gravidez.

Grávida pode beber vinho? Colocando em prática

“Quão clara é a evidência médica que sustenta a abstinência rigorosa do álcool durante a gravidez? Não muito”, diz o especialista de Harvard.

Outros estudos sugerem que as mulheres grávidas que consomem bebidas alcoólicas ocasionalmente não prejudicam a si mesmas nem o bebê.

Um estudo dinamarquês realizado em 2012, por exemplo, descobriu que o consumo baixo ou moderado de bebidas alcoólicas durante a gravidez não afetou o funcionamento do bebê de realizar atividades como planejar, criar estratégias, organizar, lembrar detalhes e gerenciar o tempo.

No entanto, como não está claro qual é a quantidade de bebida alcoólica necessária para causar problemas, o melhor conselho é o bom e velho que as mulheres devem evitar consumir bebidas alcoólicas se estiverem grávidas ou planejando engravidar.

Para muitas mulheres que bebiam um pouco antes de perceberem que estavam grávidas, este e outro estudos devem tranquilizá-las. Quase certamente essas bebidas não irão fazer mal aos seus filhos que ainda não nasceram.

Referências adicionais:

Você já tinha ouvido falar se grávida pode beber vinho ou não? Durante a sua gravidez, chegou a ingerir bebidas alcoólicas? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading…

Natália Oliveira

Natália Oliveira, apaixonada pelo universo Fitness feminino e toda magia que envolve "SER MULHER". Secretária Executiva, esposa e empreendedora digital.

Grávida Pode Beber Vinho? - Posts relacionados