Pode ser do seu interesse

suplementos

Adesivo de Testosterona – O Que é, Para Que Serve e Como Usar

A testosterona é um hormônio importante produzido pelo corpo humano. No homem, a produção é feita pelos testículos e na mulher pelos ovários, e o seu desequilíbrio pode provocar uma série de problemas, considerando que ela é responsável pelo crescimento e desenvolvimento dos órgãos sexuais masculinos e manutenção das características sexuais secundárias.

Se é detectada uma baixa testosterona, um médico pode recomendar um medicamento para fazer essa reposição e estabilizar os níveis. Existem inúmeros produtos no mercado para esse fim, e um deles é o adesivo de testosterona. Conheça aqui o que é, para que serve e também como usar esse medicamento.

Adesivo de Testosterona – O Que é?

A testosterona é receitada como um medicamento para tratar homens que não são capazes de produzir testosterona suficiente de forma natural. Ela é uma substância controlada, o que significa que sua venda só é feita mediante prescrição médica. Além de gel tópico, solução tópica, gel nasal, comprimido bucal e outras versões, as pessoas podem fazer esse tratamento com um adesivo de testosterona.

Este medicamento é colado na pele, e a partir daí o hormônio entra na corrente sanguínea e ajuda o corpo a atingir níveis normais de testosterona.

Ter níveis normais de testosterona é importante, pois ela ajuda o corpo a desenvolver e manter as características sexuais masculinas, como uma voz profunda e pelos do corpo. Também é responsável por manter os músculos, prevenir a perda óssea e estimular o desejo sexual natural.

Embora a testosterona faça parte do organismo feminino também, esse medicamento não é recomendado para mulheres.

Para que serve?

O adesivo de testosterona é uma terapia de reposição amplamente utilizada que serve para repor o hormônio quando o corpo não é capaz de produzi-lo sozinho, uma condição chamada de hipogonadismo.

Ele funciona substituindo a testosterona normalmente produzida pelo organismo e só é recomendado para homens com baixos níveis de testosterona causados ​​por certas condições médicas, incluindo desordens dos testículos, glândula pituitária (uma pequena glândula no cérebro) ou hipotálamo (uma parte do cérebro), que causam hipogonadismo.

Isso significa que o adesivo de testosterona não deve ser usado para tratar os sintomas de testosterona baixa provenientes da diminuição natural causada pelo envelhecimento.

Como usar?

Geralmente, o médico irá pedir alguns exames clínicos para analisar os níveis de testosterona e constatar que eles estão realmente baixos, assim como entender se as causas são adequadas para receitar o uso. Se ambos os cenários justificarem o uso, ele fará a prescrição com a dose certa para o seu caso.

O adesivo de testosterona é vendido em doses e tamanhos diferentes, que serão definidos pelo médico responsável, podendo ser adquirido em farmácias mediante a apresentação de receita e o uso é fácil, mas requer alguns cuidados. Veja a seguir como usar:

  1. Geralmente o adesivo é utilizado por 24 horas, então faça a aplicação e troque após esse período. Ao substituir o adesivo, certifique-se de aplicar o novo em uma área diferente e não coloque exatamente no mesmo lugar por pelo menos 7 dias. Vale ressaltar que algumas pessoas podem ter uma recomendação diferente em relação ao tempo; se for esse o seu caso, siga as orientações médicas.
  2. Faça a higiene das mãos com água e sabão antes e depois de aplicar o adesivo.
  3. Aplique o adesivo de testosterona em uma área limpa e seca. Você pode colar na pele das costas, em qualquer parte do abdômen, nas coxas ou no antebraço.
  4. A aplicação deve ser feita imediatamente, após abrir a embalagem que contém o adesivo.
  5. Em hipótese alguma ele deve ser colocado sobre queimaduras, cortes ou na pele irritada. Também evite colocar na pele oleosa ou suada, ou em áreas cobertas de pelos, pois o adesivo pode perder a aderência e consequentemente impedir que a pele absorva a testosterona.
  6. Não aplique o adesivo de testosterona nos testículos ou área genital. Também evite áreas com ossos mais salientes como o ombro, ou em uma área que fica pressionada por longos períodos, como a parte de trás da perna que fica pressionada quando você está sentado.
  7. Você pode tomar banho, inclusive de banheira e piscina normalmente, e também lavar o local que o adesivo está colado. No entanto, é necessário aguardar pelo menos 3 horas após a aplicação, e o excesso de transpiração pode fazer o adesivo desgrudar.
  8. Se o adesivo desgrudar antes da hora de troca, coloque de volta no mesmo lugar. Porém, se ele perdeu aderência e não quer mais colar, você deve fazer a seguinte análise: Se você estiver usando por menos de 12 horas, coloque um novo adesivo e no horário regular de troca, substitua-o por um novo. Mas, se você já estiver usando por mais de 12 horas, não coloque um novo, ao invés disso espere o horário regular para aplicar.

Dosagem

A dose, o número de doses que você toma por dia e o tempo de duração do tratamento dependem do seu problema médico e eles devem ser seguidos rigorosamente conforme as orientações médicas.

A maioria das pessoas começam com um adesivo de 4 miligramas, que é normalmente aplicado à noite e a troca só é feita após 24 horas. No entanto, dependendo de seus níveis de testosterona matinais, as doses de manutenção típicas são de 2 a 6 mg por dia.

Dose perdida

Caso você se esqueça de usar ou trocar um adesivo, coloque logo que puder. Se estiver quase na hora de colocar o próximo, espere até o horário regular e pule o que você perdeu. Jamais aplique adesivos extras para compensar a dose perdida.

Armazenamento

Armazene seus adesivos à temperatura ambiente em um recipiente fechado, longe do calor, umidade e luz direta, e é claro, fora do alcance das crianças.

Efeitos colaterais

São muitos os efeitos colaterais que o adesivo de testosterona pode causar.

Comuns: Os efeitos considerados leves tendem a desaparecer em poucos dias ou algumas semanas. Se persistirem, significa que não são leves e devem ser avaliados por um médico.

  • Vermelhidão, irritação, sensação que a pele está queimando e bolhas no local de aplicação;
  • Dor nas costas.

Graves: Devem ser acompanhados rigorosamente por uma equipe médica. Se sentir uma condição fora do controle e sintomas muito severos, procure um atendimento de emergência.

  • Aumento da próstata:
  • Aumento da micção, especialmente à noite;
  • Dificuldade em iniciar seu fluxo de urina;
  • Urinar muitas vezes durante o dia;
  • Desejo de ir ao banheiro imediatamente;
  • Vazamentos de urina;
  • Ser incapaz de urinar;
  • Fluxo de urina fraco;
  • Câncer de próstata;
  • Coágulos de sangue nos pulmões ou nas veias das pernas com a presença de sintomas como:
    • Dor nas pernas, inchaço ou vermelhidão;
    • Problemas respiratórios;
    • Dores no peito;
    • Ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral;
  • Contagem de espermatozoides baixa (pode acontecer quando grandes doses do remédio são administradas);
  • Inchaço nos tornozelos, pés ou corpo;
  • Aumento nas mamas ou dor;
  • Apnéia do sono;
  • Ereções que duram mais de quatro horas.

Interação medicamentosa

O adesivo de testosterona pode interagir com outros medicamentos, suplementos, vitaminas e até com ervas, e essa condição pode alterar a maneira como um medicamento funciona. Isso pode ter impactos negativos para a saúde e impedir que o medicamento funcione bem.

Para ajudar a evitar, informe ao seu médico exatamente tudo o que você está tomando, ou toma eventualmente. Ele será capaz de gerenciar cuidadosamente todos os seus medicamentos, pois fazer o uso de testosterona com certas drogas aumenta o risco de efeitos colaterais.

Confira abaixo alguns medicamentos que podem interagir com a testosterona: 

  • Corticosteroides ou hormônio adrenocorticotrófico: Combinar a testosterona com esse tipo de medicamento eleva as chances do corpo formar um edema. O médico deve fazer um acompanhamento próximo para acompanhar a condição, especialmente se você tem problemas cardíacos, hepáticos ou renais.
  • Insulina: A testosterona pode diminuir os níveis de açúcar no sangue. Isso significa que se você toma insulina para gerenciar o diabetes e vai combinar com testosterona, o seu médico deve analisar a necessidade de fazer ajustes na dose de insulina.
  • Diluentes de sangue, como varfarina, apixabana, dabigatrana ou rivaroxabana: A testosterona pode alterar a forma de coagulação do sangue, então é preciso monitorar mais de a eficácia dos medicamentos para afinar o sangue.

Advertências

Algumas condições de saúde podem viabilizar algumas condições subjacentes.

  • Doença hepática: Se você tem uma doença hepática existente e fizer uso de testosterona pode condicionar o corpo a reter líquidos, causando um inchaço ou edema como também é conhecido.
  • Doença cardíaca: A testosterona pode causar retenção de sal e água. Isso pode causar inchaço (edema) com ou sem insuficiência cardíaca, especialmente em pessoas que tem doenças cardíacas.
  • Doença renal: Se você tem doença renal ou histórico, também está mais predisposto a reter líquidos e ter uma edema.
  • Sobrepeso: A testosterona pode dificultar a respiração de pessoas com sobrepeso. Algumas podem inclusive desenvolver um distúrbio como a apnéia do sono.
  • Diabetes: Como vimos à testosterona interage com a insulina, um medicamento indicado para gerenciar o diabetes. Será necessário conversar com o médico que faz esse acompanhamento para analisar possíveis mudanças na dose.
  • Próstata aumentada:Esse tipo de medicação costuma piorar os sintomas da próstata aumentada. Se você tem o problema e vai fazer, ou já faz o uso de testosterona, o médico precisa fazer um acompanhamento próximo para monitorar.

Contraindicação 

  • Homens com câncer de mama: A testosterona pode piorar o câncer, por esse motivo e desaconselhada à administração desse medicamento se você tem câncer de mama.
  • Câncer de próstata: Assim como acontece com o câncer de mama, tomar testosterona agrava os sintomas do câncer de próstata.
  • Mulheres: Este medicamento não é prescrito para mulheres.
  • Idosos: A reposição de testosterona não é indicada para homens na andropausa. Não há informações suficientes de segurança para avaliar os riscos para idosos de câncer de próstata e doenças cardiovasculares ou agravamento do aumento da próstata durante o uso deste medicamento.
  • Crianças: Este medicamento não deve ser usado por homens menores de 18 anos. O uso em crianças pode impulsionar o amadurecimento dos ossos precocemente, sem aumentar a altura. Isso pode fazer com que a criança pare de crescer mais cedo do que o esperado e que fique com uma baixa estatura.

Através da administração adequada e do gerenciamento de todos os riscos, os níveis de testosterona podem ser normalizados com a utilização do adesivo de testosterona. No entanto, existem outros medicamentos disponíveis para a condição, e alguns podem ser mais adequados e eficazes para você. A melhor forma de descobrir é conversar com o seu médico e analisar com ele todos os prós e contras.

Referências adicionais:

Você conhece alguém que tenha usado adesivo de testosterona? Tem curiosidade de usar? Como foram os resultados? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading…

Natália Oliveira

Natália Oliveira, apaixonada pelo universo Fitness feminino e toda magia que envolve "SER MULHER". Secretária Executiva, esposa e empreendedora digital.

Adesivo de Testosterona – O Que é, Para Que Serve e Como Usar - Posts relacionados