Pode ser do seu interesse

Bem Estar

13 Alimentos Ruins para o Fígado

O fígado é um órgão importantíssimo para o bom funcionamento do nosso metabolismo. Além de atuar na regulação do processo digestivo, o órgão é importante para eliminar substâncias nocivas ao organismo, evitando o acúmulo de toxinas e o desenvolvimento de várias doenças.

Devido à sua importância, a saúde do fígado deve ser preservada e uma maneira muito sábia de fazer isso é ingerindo alimentos saudáveis que não sobrecarreguem ou danifiquem o órgão.

Vamos conhecer os principais alimentos ruins para o fígado que você deve evitar se quiser manter o órgão saudável e, claro, algumas dicas de alimentos saudáveis para incluir na dieta.

Importância do fígado

O fígado danificado coloca em risco diversas funções metabólicas importantes no nosso organismo. Quando ele sofre algum dano, por exemplo, a digestão e a absorção de nutrientes podem ser prejudicadas já que o órgão se torna incapaz de converter de forma eficiente os nutrientes obtidos através da dieta. A médio e longo prazo, problemas como esses podem causar complicações de saúde e prejudicar a qualidade de vida.

Outras funções que o fígado executa incluem a manutenção dos níveis de glicose no sangue e o controle dos níveis de energia no organismo. Essas funções ilustram o papel do fígado para o nosso bem-estar e para a prevenção de doenças, por exemplo.

Como o fígado processa tudo o que comemos, é importante escolher bem os alimentos que vão compor a dieta e evitar aqueles que são muito difíceis de digerir ou altamente processados, por exemplo.

Para ajudar nessa tarefa, separamos uma lista de alimentos ruins para o fígado e que podem prejudicar a saúde, principalmente se consumidos em excesso.

Alimentos ruins para o fígado

Existem alguns tipos de alimentos que dificultam o trabalho do fígado e que podem sobrecarregar o órgão. A maioria deles são produtos processados industrialmente, mas a lista abaixo engloba também alguns alimentos de origem animal que não são tão saudáveis como pensamos. Quer saber quais são eles? Então vamos lá:

1. Sal

O sal é um condimento que contém sódio em sua composição e que, se consumido em excesso, pode causar problemas para o fígado. Assim, alimentos ricos em sódio também devem ser evitados.

Além disso, um fígado já danificado tem ainda mais dificuldade para processar o sal e outros alimentos com sódio.

Reduzir o consumo de sal no dia a dia é bom não apenas para preservar o fígado, mas também para evitar outras condições de saúde como a hipertensão, por exemplo. O sal em excesso pode causar outros problemas como inchaço abdominal e retenção de líquidos.

A recomendação é que cada indivíduo não exceda o consumo diário de uma colher de chá por dia, o equivalente a cerca de 2300 miligramas de sódio.

Ao ingerir quantidades altas de sódio, é possível que a pessoa desenvolva uma condição conhecida como fibrose, que surge devido à presença de cicatrizes no fígado que são formadas devido ao esforço do órgão em reparar danos.

2. Açúcar

Açúcar e alimentos açucarados devem ser evitados para manter o fígado em bom estado. Isso porque o fígado converte os carboidratos consumidos em excesso como o açúcar em gordura. Essa gordura, se armazenada no fígado, pode resultar em doença hepática gordurosa. Além disso, o órgão pode ficar sobrecarregado ao ter que metabolizar muitos carboidratos, prejudicando a sua função.

Assim, o ideal é manter a moderação e evitar o consumo frequente de alimentos como sorvetes, doces e bolos, por exemplo. Mas não só os alimentos adoçados de propósito ou alimentos industrializados devem ser considerados como exemplos. O próprio açúcar das frutas, a frutose, se ingerida em excesso, pode resultar no acúmulo de gordura no organismo. É claro que a fruta tem outros nutrientes além dos carboidratos, mas vale a pena ressaltar a importância de uma dieta diversificada e balanceada que fuja dos excessos de qualquer natureza.

3. Refrigerantes

Os refrigerantes e outras bebidas adoçadas como bebidas energéticas, por exemplo, são alimentos ruins para o fígado. Por serem ricas em frutose ou em xarope de milho, essas bebidas aumentam muito a sua ingestão de carboidratos.

Segundo estudo publicado no periódico científico American Journal of Clinical Nutrition, a adição de frutose em excesso na dieta pode aumentar o risco de infecções que podem prejudicar a função do fígado.

4. Fast food

A maioria dos restaurantes de fast food precisam de alimentos de rápido preparo para atender à alta demanda de clientes famintos e que não gostam de esperar. Para cumprir essa demanda, as redes usam alimentos que além de fáceis de preparar durem muito tempo nos estoques. Isso resulta em ingredientes ricos em gorduras trans, que são mais resistentes do que outros tipos de gordura, mas que não são saudáveis para o nosso organismo.

Pessoas que comem muito fast food apresentam maior risco de desenvolver doenças no fígado, já que acaba ocorrendo um acúmulo de gorduras trans no fígado, que sobrecarregam o órgão. O mais alarmante sobre esse fato é que os primeiros danos no fígado foram observados apenas uma semana após consumir fast food 2 vezes ao dia em pessoas que se submeteram a estudos de observação clínica. Além disso, após um mês comendo fast food e evitando realizar atividades físicas, houveram alterações em enzimas hepáticas que têm relação com o abuso de álcool.

Tal estudo foi realizado por pesquisadores suecos na Universidade de Linköping e publicado na revista científica Gut. Apesar dos resultados indicarem um grande aumento no teor de gordura no fígado e nos níveis de enzimas hepáticas associadas ao consumo abusivo de álcool, o estudo contou com um pequeno grupo de pessoas e uma pesquisa mais aprofundada precisa ser feita para confirmar o fato.

Além da gordura trans, os alimentos usados por redes fast food costumam ser ricos em glutamato monossódico. A ingestão em excesso dessa substância pode causar problemas no sistema neuroendócrino e no fluxo sanguíneo. O fígado também pode ser danificado pelo composto.

De acordo com estudo publicado na revista científica Journal of Autoimmunity, camundongos que foram submetidos a injeções de glutamato monossódico desenvolveram inflamação hepática grave e se tornaram obesos em menos de um ano.

5. Ostras e marisco

O consumo de frutos do mar como as ostras aumenta o risco de contração de hepatite A. Isso porque alimentos como as ostras podem ficar expostos à água contaminada com o vírus da hepatite. A hepatite A, se não ser tratada adequadamente, pode se tornar uma doença grave e prolongada que prejudica o funcionamento do fígado devido à inflamação causada pelo vírus.

6. Shakes de proteína

A proteína em excesso, não só proveniente de shakes proteicos, pode danificar órgãos como o fígado e os rins a longo prazo. Isso acontece porque a proteína é o macronutriente mais difícil de ser digerido e o consumo excessivo pode fazer com que os rins e o fígado tenham que realizar um esforço extra.

Essa atividade extra no fígado acaba colocando o órgão sob um grande estresse, podendo resultar em um mau funcionamento e no acúmulo de substâncias tóxicas na corrente sanguínea, que não são eliminadas pelo fígado. Se essa situação persiste por muito tempo, as toxinas acumuladas podem causar problemas de saúde como a encefalopatia hepática.

7. Alimentos enlatados

Os alimentos enlatados por si só não fazem mal para o fígado. O problema é que grande parte desses enlatados é rica em sódio e aditivos alimentares como conservantes, corantes e aromas artificiais, e por isso eles se tornam alimentos ruins para o fígado. De acordo com um estudo realizado no Boston Children’s Hospital, ratos que consumiram alimentos processados acumulam mais gordura corporal além de apresentarem maiores níveis de gordura na corrente sanguínea e no fígado do que ratos que não ingerem alimentos processados.

Isso é bastante preocupante já que cada vez mais crianças são expostas a alimentos processados ainda na primeira infância, o que aumenta o índice de crianças obesas e com doença hepática gordurosa.

Além disso, o alto teor de sódio nesses alimentos leva à retenção de fluidos e causam mau funcionamento do fígado.

8. Carne vermelha

Alimentos ricos em proteína são mais difíceis de processar, mas esse não é o único motivo pelo qual o consumo de carne vermelha pode prejudicar o fígado. Além da proteína, a carne vermelha apresenta um alto teor de gordura que, quando consumida em excesso, pode se acumular no órgão.

Assim, limitar o consumo de carne vermelha e optar por carnes mais magras como o frango, por exemplo, é uma boa medida para preservar a saúde do fígado.

Mais uma vez, é importante evitar os excessos, já que a proteína em excesso pode sobrecarregar o funcionamento não só do fígado, mas também do cérebro.

9. Produtos lácteos

Pelos mesmos motivos mencionados no item anterior, os produtos lácteos devem ser ingeridos com moderação. Alimentos como leite e derivados dele como iogurtes e queijos são ricos em proteína e gordura que podem sobrecarregar a função do órgão e causar o acúmulo de gordura no fígado, principalmente quando consumidos em excesso.

10. Álcool

O abuso de álcool pode causar esteatose hepática, cirrose e até hepatite. O álcool em excesso atua como uma toxina ao organismo, o que danifica o tecido hepático e contribui para o aumento do acúmulo de gordura no órgão e para a ocorrência de inflamações. Além disso, a ingestão demasiada de álcool prejudica a absorção adequada de nutrientes.

Se não puder evitar o consumo sempre, ao menos seja moderado e deixe para beber em eventos sociais sem perder a linha. Seu fígado e sua saúde agradecem.

11. Alimentos gordurosos

O acúmulo de gordura no fígado é um dos principais motivos de danos no órgão. Assim, é essencial consumir apenas fontes saudáveis de gordura e evitar os excessos.

Esses alimentos ruins para o fígado aumentam os processos inflamatórios no organismo, podendo resultar em inflamações no órgão e distúrbios hepáticos. O excesso de gordura também pode causar outros problemas como o aumento dos níveis de colesterol.

12. Arroz e pães

O arroz branco e os pães são alimentos rapidamente processados e absorvidos pela corrente sanguínea. Isso pode resultar em picos de açúcar no sangue, que facilitam o acúmulo de gordura no organismo. A ingestão em excesso desses carboidratos de rápida digestão é prejudicial para a saúde do fígado pois aumenta o risco de desenvolvimento de doença hepática gordurosa.

13. Alimentos processados

Assim como os enlatados, os alimentos processados em geral não são alimentos saudáveis. Snacks e lanches embalados ou congelados prontos para o consumo contêm altas quantidades de gordura, sal e açúcar. Todos esses componentes são prejudiciais para o nosso fígado e para a saúde em geral, já que sobrecarregam a função hepática e facilitam o acúmulo de gordura.

Outros danos que podem ser causados no fígado

– Suplementos

O uso de alguns suplementos pode causar danos hepáticos. Embora os suplementos sejam uma maneira de completar as necessidades diárias e manter a saúde em dia, alguns suplementos dietéticos podem prejudicar o órgão. Os principais vilões são aqueles compostos de proteínas e alguns suplementos para a perda de peso. Tais produtos, dependendo da composição, podem sobrecarregar o órgão e causar mais danos do que benefícios.

Além disso, a ingestão de vitaminas como os suplementos de ferro sem necessidade pode causar danos muito sérios ao fígado. Isso acontece porque não existe um mecanismo pré-definido no nosso organismo para eliminar o excesso de ferro. Assim, pessoas que não precisam de suplementação desse mineral acabam acumulando ferro no organismo, o que pode causar cicatrizes no fígado e até evoluir para um quadro de cirrose. Além disso, há indícios de que o excesso de ferro no organismo pode aumentar o risco de câncer de fígado.

De acordo com o National Health and Medical Research Council, é indicado que homens e mulheres com 14 anos ou mais não ultrapassem a ingestão diária máxima recomendada de 45 miligramas de ferro. Qualquer tipo de suplemento só deve ser usado sob orientação médica com base em exames que comprovem a deficiência nutricional.

Doses altas de vitamina A também podem causar danos no fígado, já que tal vitamina é armazenada no órgão. A ingestão diária de vitamina A para adultos é de 3 mil microgramas. O consumo acima dessa quantidade recomendada pode prejudicar sua saúde.

– Cigarros

O hábito de fumar pode prejudicar muito o funcionamento do fígado. O cigarro aumenta o risco de câncer de fígado e reduz a capacidade do fígado de remover toxinas da corrente sanguínea. O metabolismo de medicamentos também pode ser prejudicado devido ao mau funcionamento do órgão.

O uso de outras drogas legalizadas ou não também prejudica o fígado através do estresse causado no órgão.

– Algumas ervas

Alguns tipos de ervas podem ser tóxicos para o fígado. Algumas das substâncias que prejudicam o órgão incluem ervas como ginseng chinês, arbusto jamaicano, Kombuchá, óleo de poejo, camaleão branco, valeriana combinada, bérberis e chaparral. Vale a pena prestar atenção quando for experimentar um chá diferente ou usar remédios à base de ervas e sempre evitar os excessos.

– Alguns medicamentos

Algumas classes de medicamentos apresentam compostos químicos difíceis de processar. Tais remédios acabam sobrecarregando o fígado. Exemplos deles incluem alguns antidepressivos, antibióticos e corticosteroides.

Dicas para ter um fígado saudável

De acordo com a American Liver Foundation, as dicas a seguir permitem que você tenha um fígado saudável:

  • Não ingerir os alimentos ruins para o fígado listados acima ou evitar ao máximo o consumo deles;
  • Ter uma dieta balanceada rica em grãos integrais, legumes, frutas e leguminosas;
  • Ingerir alimentos ricos em fibras, que ajudam o fígado a funcionar de maneira adequada;
  • Beber bastante água e líquidos em geral.

Dicas práticas

  1. Escolha vegetais de folhas verdes como repolho, couve e espinafre, que ajudam o fígado no processo digestivo;
  2. Consuma café com moderação. Estudos sugerem que beber algumas doses de café durante o dia ajuda a impedir o acúmulo de gordura no órgão;
  3. Procure comer uvas. Essas frutas são ricas em resveratrol, substância antioxidante que reduz a incidência de processos inflamatórios no fígado e em todo o organismo;
  4. As amêndoas e nozes em geral são ricas em gorduras do tipo insaturada e em vitamina E. Ambos compostos ajudam a desintoxicar o fígado e melhorar o seu metabolismo;
  5. Consumir ovos também ajuda a desintoxicar o fígado e auxiliar o metabolismo do corpo;
  6. Ingerir frutas vermelhas é bom para o fígado devido à presença de substâncias como a antocianina e os polifenóis que reduzem os danos causados por radicais livres e diminuem o risco de desenvolver câncer no fígado, por exemplo;
  7. Beber chá verde ajuda a limpar o fígado devido ao efeito diurético e à ação antioxidante da bebida. Além disso, assim como o café, o chá verde reduz a quantidade de gordura armazenada no fígado;
  8. Ao consumir bebidas lácteas, prefira as versões com pouca ou nenhuma gordura para evitar danos ao órgão;
  9. Evitar alimentos ricos em gorduras trans é indispensável para a saúde em geral, pois eles são alguns dos principais alimentos ruins para o fígado. O ideal é consumir boas fontes de gordura em doses moderadas como através da ingestão de castanhas e peixes gordurosos como o salmão e o arenque, por exemplo, que são ricos em ômega 3.

E se você já tem uma doença no fígado, o que fazer? 

Pessoas já diagnosticadas com doenças no fígado devem se atentar a alguns itens a serem evitados. Veja o que fazer se você tem alguma das condições abaixo.

– Doença dos ductos biliares

Essa condição prejudica o fluxo da bile produzida no fígado até o intestino delgado, onde a substância participa do processo digestivo. Quem apresenta esse problema precisa tomar cuidado com a ingestão de gorduras que são mais difíceis de digerir sem quantidades ideais de bile. Assim, é indicado limitar a ingestão de gordura na dieta.

– Cirrose

Quem tem cirrose deve limitar o consumo de sal e alimentos ricos em sódio. Também é recomendado tomar cuidado com a ingestão de proteínas e gorduras, já que a cirrose causa cicatrizes e danos severos no órgão que prejudicam a digestão de praticamente tudo que é consumido.

– Doença hepática gordurosa

Trata-se de uma condição que causa o acúmulo de gordura no fígado. Nesses casos, é recomendado aumentar a ingestão de fibras e limitar o consumo de alimentos gordurosos e muito calóricos.

– Hemocromatose

Essa condição resulta do acúmulo de ferro no fígado devido ao consumo em excesso ou a alguma falha metabólica que não processa o mineral de forma adequada. O médico deve indicar uma dieta especial sem o consumo de alimentos que contenham ferro durante o tratamento.

– Hepatite C

A hepatite C é uma doença viral que causa uma inflamação grave no órgão. Quem tem hepatite deve evitar a ingestão de alimentos ricos em ferro e em sódio.

– Doença de Wilson

A doença de Wilson ocorre quando há um acúmulo de cobre no organismo. Nesse caso, é essencial limitar o consumo de alimentos que contêm cobre como nozes, chocolate, cogumelos e mariscos, por exemplo.

O fígado é, sem dúvida, um dos órgãos mais importantes para a nossa saúde. Dessa forma, vale a pena prezar pela boa alimentação e evitar esses alimentos ruins para o fígado não só para evitar doenças no órgão como para manter todos o organismo em bom funcionamento.

Referências adicionais:

Você costuma consumir alguns destes alimentos ruins para o fígado com certa frequência? Pretende diminuir agora que sabe como eles podem fazer mal? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading…

Natália Oliveira

Natália Oliveira, apaixonada pelo universo Fitness feminino e toda magia que envolve "SER MULHER". Secretária Executiva, esposa e empreendedora digital.

13 Alimentos Ruins para o Fígado - Posts relacionados